segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Pensando na vida: Um dia de otário


Tenho um pior momento na minha vida, um que odeio lembrar, que me dá raiva lembrar.
O pior de lembrar, é lembrar toda vez que fui um otário, mas lembro também, que se não tivesse passado por aquele vexame certamente eu seria um otário até hoje, e pior, provavelmente nem saberia disso.
Então meu pior momento é mesmo um dos melhores momentos, pois tomei consciência de ser um otário.
Por vezes, quando vejo alguém em situação semelhante, penso: "Poderia ser pior. Poderia ser comigo." Não por egoísmo que penso assim, mas para lembrar que da pior situação de uma vida, pode advir a maior benção de uma vida.
No mais, tive muito trabalho, muitos problemas e me encrenquei muitas vezes. Mas nada que me dê raiva como acontece quando lembro que fui de fato um otário um dia.

"Da ignorância nada se aproveita, por que até para perguntar é preciso saber."


quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Filhos, melhor tê-los.

Croniquetinha


 Conforme combinado cheguei às seis na casa dos meus filhos, abraços e sorrisos festivos, três histórias para ouvir ao mesmo tempo, cumprimento a mãe que me informa que as crianças não estão prontas ainda.

- O quê! Você não estão prontos ainda?!

- Não! Não! Não!

- Então vão se aprontar já senão eu vou e vocês ficam, vou comer a pizza toda sozinho.
Saem os três correndo para os quartos, eu acrescento: 

- Ó vou contar até 500, quem não estive pronto, fica.
 Eles começam a rir no quarto, e eu começo a contar: 

-Um (esperava um tempo) ... Dois (esperava um tempo) Três (esperava um tempo) ...

E pronto, eles voltam para a cozinha afinados de rir. Sentamos todos ao redor da mesa, a Bianca traz o café, a Sílvia fica corada e sorri também, e todos contam as novidades dos últimos dias.

A pizza ficou para mais tarde.

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Tocaia


O predador mora perto da presa. E espreita, e espreita, e espreita...
É só esperar, a pressa vai virar papinha.

Assim pensa o predador. Ficar na tocaia, esperando a presa cair.
Evidente que o raciocínio do predador é bastante precário e bruto.
Diferente do caçador, que se lança em busca da presa, entretanto, tanto o predador quanto o caçador estão presos no mesmo local que a presa.

O vingativo se agarra ao objeto do seu ódio e se lança ao buraco com a vítima, e a segura ali no buraco, e não sai do buraco com a intenção de segurar ali sua vítima. Quem está no buraco com a vítima?

Definitivamente:
Ficar de tocaia, esperando, nunca foi meu ofício.

Leão preocupado

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Esperando o fim do quê?

--- Aqueles que pensam que o ano acaba e começa ano novo na data marcada, é escravo do sistema e do calendário.
E não adianta vir aqui escrever idiotice, porque desculpas de escravo não vale nada.

Baixe a cabeça e siga o calendário.
   

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

A sombra (Raul Seixas/Antenor Emerich)

Mosca Na Sopa - Raul Seixas / versão: Antenor Emerich

                                           

   Eu sou a sombra
Que pousou em suas costas
Eu sou a sombra
Que pintou pra lhe abusar

Eu sou a sombra
Que perturba o seu sono
Eu sou a sombra
No seu quarto a zumbizar
E não adianta
Vir me iluminarr
Pois nem o teu credo

Pode assim me exterminar
Porque você me evita
E crea outra em meu lugar

-"Atenção, eu sou a sombra
A grande sombra
A sombra que perturba o seu sono
Eu sou a sombra no seu quarto
A zum-zum-zumbizar
Observando e abusando
Olha do outro lado agora
Eu tô sempre junto de você
Água mole em pedra dura
Tanto bate até que fura
Quem, quem é?

A sombra, meu irmão!"

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

De solidã0



Estou sozinho
E a solidão me agrada
Um silencio mudo
Um som sem nada
não é ruim o silêncio
não é pesado.
Sem som do presente ou visão do passado
No cd, o Zeca rasga fotografias.
A chuva chia na pedra fria
(taparam a terra)
No vão de uma música à outra
Pintassilgos trovam com saíras
Meu creme espalha aroma pela casa
Minha nudez é informal
Meu pênis fica atento
(entre quatro paredes sabemos
Que a liberdade é ilusão)
No dia a dia das exigências dela
Sinto saudades da solidão.
Meu coração se encontrou no compasso
Ciente enfim,De que tudo é caos em transformação...